Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escritos3

Sempre me senti, na intimidade do teu universo, uma espécie de visita. Eu não estava em ti; eu passava por ti, batia, simplesmente, à tua porta e tu recebias-me. Procuravas sempre agradar-me, como se agrada às visitas que estimamos. Mas eu tinha consciência de que não te pertencia. Não seria, certamente, uma "estranha"; seria até alguém cuja presença, de vez em quando, desejavas - mas nunca consegui romper essa fronteira que protegia o teu casulo, esse território povoado de segredos que ninguém, jamais, desvendará. Reconheci-te sempre nessa ausência. E frequentei-te assim, sabendo que apenas te visitava.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D